3 de dez de 2016

Com a palavra: " MONTSERRAT MARTINS "

Comoção mundial

                               Montserrat Martins


       O estádio cheio de torcedores do Atlético Nacional da Colômbia cantando em homenagem à Chapecoense foi de arrepiar. O Real Madrid com a camiseta “Somos Todos Chapecoense” também foi comovente. No país e no mundo, chocados com a perda das dezenas de vidas da delegação esportiva, assistimos a reações que foram muito além do imaginado.

       No noticiário habitual estamos acostumados a notícias ruins sobre a humanidade: guerras, flagelos, injustiças, exploração de uns por outros, competições destrutivas, violência... Poucas vezes a bondade é notícia, a solidariedade, a generosidade, atos de empatia.

       Pois o que se viu naquele estádio da Colômbia foi um gigantesco ato de “empatia coletiva” onde a torcida de um time fazia homenagem às vítimas do que viria a ser seu rival, cantando que a Chape era a campeã, louvando pessoas e as suas respectivas famílias de um outro time, de um outro país, com a mesma devoção como se estivessem homenageando a seus próprios jogadores e famílias.

       Por todo o país e nas mais diversas praças de esportes do mundo foram feitas diversas homenagens expressando solidariedade e carinho com as vítimas. Num mundo cada vez mais cheio de conflitos e de intolerâncias – étnicas, religiosas, nacionais, ideológicas – esse episódio de empatia e solidariedade tem um significado imenso, de que ainda se pode falar em “humanidade” em um aspecto positivo, de valores morais elevados tais como a sensibilidade demonstrada, em tantos lugares do mundo, neste episódio.

       Está na moda nas redes sociais criticar tudo e todos, falar mal da humanidade em contraste com falar bem dos outros animais, por exemplo. A empatia com a dor da Chapecoense não redime a humanidade, mas evidencia que também temos um lado amoroso, capaz de nos unir, mesmo que em situações excepcionais, já que no dia a dia estamos imersos em tantas óticas competitivas, em relação às demais pessoas.

       Mas nem tudo são flores, há quem tenha feito uso perverso dessa tragédia. Foi o caso da Câmara dos Deputados, que aproveitou que todos os holofotes estavam na Chapecoense para aprovar um texto desfigurado do que seriam as “Medidas contra a corrupção”. A indignação foi tão grande que o Senado já rejeitou, no dia seguinte, um pedido de urgência de Renan Calheiros para aprovar o texto da Câmara.


       Agindo na calada da noite, para fugir à pressão da opinião pública e deturpar as medidas contra a corrupção (de modo a inibir Judiciário, Ministério Público e Polícia Federal), a Câmara provocou um “panelaço” na noite seguinte, em todo país. Os deputados, enfim, também “uniram o país”, mas na revolta contra eles.



Montserrat Martins* psiquiatra, ambientalista e escritor de Porto Alegre/RS/- Colaborador semanal do Blog Ponto de Vista

0 comentários:

Postar um comentário

Os comentários não refletem necessariamente a Opinião da editora do blog "PONTO DE VISTA".

  © Blogger templates Newspaper III by Ourblogtemplates.com 2008

Back to TOP